Dicas e Exercícios para não ser tão crítico e aliviar a ansiedade

Dicas e Exercícios para não ser tão crítico e aliviar a ansiedade

Certamente você já parou por alguns minutos para se culpar por algo que poderia ter feito melhor. Mesmo que o seu trabalho não tenha gerado nenhuma crítica, surge o pensamento “estão falando mal de mim” e, consequentemente, o quadro de ansiedade piora. Em muitos casos, o episódio resulta em uma crise de pânico.

Eu sempre tive medo de ser demitido. Quanto mais estudava, apresentava ideias e crescia profissionalmente, mais eu acreditava que produzia algo muito ruim. Retornava para casa, é claro, angustiado. E isso não passou de um dia para o outro. Foram meses.

Leia também:
5 diferenças simples entre ansiedade e depressão

Para muitos a vida profissional é cheia de desafios, com uns dias mais complicados e outros mais fáceis. Porém, quando a cobrança é intensa acaba gerando pensamentos negativos, desvalorização pessoal e depreciação. Se cobrar é normal, sofrer muito, não. Então, antes de continuar, permita-se errar. Afinal, é errando que se aprende.

De acordo com especialistas, o risco desse hábito tornar-se patológico ao ponto da pessoa deixar de fazer coisas que a agradavam é grande. O medo de expor começa a ser maior do que a vontade de apresentar algo novo em uma reunião, por exemplo.

Vamos elaborar um exercício bem fácil para começar a praticar o desapego pela perfeição. Primeiro, cinco dicas para guardar na carteira ou no celular e sempre olhar.

Leia também:
10 Atitudes para diminuir e controlar a sua ansiedade

1 – Você não é perfeito. Eu também não. Aliás, ninguém é. Aceitar que você também falha é o primeiro passo para não aumentar a ansiedade. É normal ter um trabalho ou um lado que não orgulhe você. Não importa aonde, não tenho medo de errar e ouvir críticas.

2 – Não haja sobre estresse ou preocupação excessiva. Quando estiver cansado ou precisando respirar um pouco, vá tomar um café, lave o rosto e descanse. Todos precisamos de um momento para equilibrar as ideias.

3 – Sofrer antecipadamente também é algo que precisa ser riscado do dia a dia. Você já parou para mentalizar quantas vezes criou cenários trágicos na cabeça que nunca ocorreram? Aquele esquecimento em um dia não causou nada no outro dia, mas você pensou que resultaria em uma série de complicações. Às vezes perdeu o sono ou deixou de participar da vida de quem estava a volta. Então, tente pensar em situações positivas. “Vai ter um erro, amanhã eu cuido disso e proponho uma solução”.

4 – Não tente imaginar o que as pessoas acham de você na faculdade ou na empresa, por exemplo. Você não pode controlar isso e não vale a pena perder energia pensando nessa situação.

5 – Mais autoestima. Defenda suas ações, se orgulhe delas. Mesmo que nem todas agradem, é preciso acreditar nelas.

Vamos a um exercício

Enumere cinco erros seus que você tem medo que aconteça no trabalho, em casa ou na faculdade (escola).

Por exemplo: tenho medo de apresentar uma proposta de trabalho para minha equipe de faculdade porque achou que não está nada boa. Então, meu medo é “Expor uma ideia que seja contrariada”.

Depois de uma nota de 0 a 10 para cada um deles. 0 para menos medo e 10 para mais medo. Comece do menor medo e crie situações positivas que poderiam acontecer de acordo com a nota do medo.

Exemplo: se eu dei 2 para “Expor uma ideia que seja contrariada”, vou elaborar dois pensamentos positivos: Meu colega vai gostar bastante. Eles podem não gostar, mas vou mostrar que sou participativo.

E faça assim até o pior medo. Neste, terá que escrever 10 pensamentos positivos. Isso vai mudar o jeito de pensar de negativo para positivo. E ver que não é preciso ser perfeccionista em tudo.

There was an issue loading your timed LeadBox™. Please check plugin settings.
There was an issue loading your exit LeadBox™. Please check plugin settings.
de autoria de: Eduardo Correia

Idealizador do projeto Pânico Terapia.

Existem 14 comentários para este artigo
  1. Rosilene França at 2:34 pm

    Muito bom o artigo. Eu tenho problemas para ficar no emprego. As crises vem, eu chego atrasada por causa da condução. Também não sinto confiança em mim. Me sinto uma fracassada. Eu odeio essa doença. Tenho crises de pânico desde os 17 anos. Estou com 34.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>